15 de julho de 2015

5 Vezes que a vida me fez Rockeira

Em algum momento da nossa vida sempre vai haver um espacinho para o rock. Para alguns permanece pela vida, outros apenas tem seus momentos. E embora eu tenha essa mania de escutar um pouco de tudo, ainda fujo sempre para o ritmo que mais predomina na minha playlist infinita, o rock. Então, listo pelo menos 5 das vezes que a vida me fez rockeira.

1. Raul Seixas e a característica inigualável do meu pai.
Meu pai sempre foi fã de Raul e por incrível que pareça até a aparência era meio parecida. Chamavam e ainda chamam meu pai de o Raul da atualidade por causa do estilo de cabelo parecido e de deixar a barba grande. Na verdade, só faltaria um óculos igual, um estilo parecido, um violão e aquelas músicas incríveis cheias de metáforas e poesia. Passei a escutar mais Raul e o admirar desde cedo e ainda aposto no meu pai com um tributo ao senhor Seixas.

2. Minha era Guns N' Roses
Teve uma época da minha vida que se falassem em música eu falava em Guns N' Roses. Confesso, sou extremamente apaixonada pela banda e por suas "divisões" da atualidade. O que inclui Slash (agora como excelentíssimo Myles Kennedy) e afins. Eu conhecia a banda há um bom tempo, mas o negócio de me aprofundar em biografias, discografias e histórias da banda só surgiu mesmo quando me apaixonei por um carinha que admirava eles ainda mais que eu. Então, obrigada por isso apesar de tudo, "carinha". 

3. Minha mãe e sua paixão por Bruce Springsteen, Nazareth e nomes do rock.
Minha mãe sempre teve um bom gosto musical, para citar de começo ela é apaixonada por Shania Twain e Taylor Swift... mas como o assunto é rock existem muitos outros. Digamos que a playlist dela anda longa, aprendi a gostar de muitos nomes da música quando eu pedia que CD comprar para aumentar a nossa coleção de discos. Entre eles: Bruce Springsteen, Nazareth, The Beatles, John Lennon, Queen, The Rollings Stones, Jota Quest, Led Zeppelin, Jimi Hendrix... por aí vai.

4. Amando a princesinha do rock.
Graças ao meu aniversário de 13 anos é que conheci a loirinha, ganhei por coincidência um álbum da Avril Lavigne do meu primo e acabei me apaixonando de cara. Tudo bem que hoje ela não é considerada um "rock", mas já foi e é do que ela já foi que sou mais fã. Confesso que amo a "nova era" da cantora, mas admito que o tempo menina rock n' roll já passou. Foi uma época de rebeldia minha e de aprender a andar de skate e fazer bagunça. Também tive esse tempo.

5. Sobre músicas e décadas passadas.
Minha maior vibe agora é músicas antigas, décadas passadas e nostalgias musicais. Sempre fui apaixonada pela década de 60 e costumo afirmar que nasci no tempo errado. Músicas no estilo do filme Grease, Elvis Presley, The Beatles e vários outros ícones das décadas de 60, 70, 80 e 90 me encantam de um jeito que nem eu entendo. Nisso entra os brasileiros como: Roberto Carlos (na atualidade não sou fã), Kid Abelha, Legião Urbana, Raul Seixas, Mamonas Assasinas e por aí.

** Meme indicado pelo grupo Rotaroots para o mês de Julho.**

4 comentários:

  1. Adorei! Seus pais parecem muitooooo legais haha e com um ótimo gosto musical. Minha mãe é rockeira até o ponto que se é permitido para alguém que não curte heavy metal, nem nada obsceno (hahaha), mas esses rocks do século XX fazem bem o estilo dela também. Ótimo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São sim, um pouco foras do normal! hahaha Obrigada ♥

      Excluir

Seja mais do que bem-vindo!

Não esqueça de voltar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...