14 de julho de 2015

[642 coisas] Deixa disso, eu não sou tão complicada assim


Ah, deixa disso, eu não sou tão complicada assim. Me decifrar é quase mais fácil que organizar um cubo mágico em menos de um minuto ou para aqueles que não são fãs de cubos, serve um quebra-cabeça de pelo menos umas 1.500 peças. Viu? Nem é tão complicado assim, se bem que pode faltar uma peça ou outra na metade, também posso ser tentada a colorir de uma cor diferente das habituais uma das peças do cubo só para dificultar. Eu sempre acabo me perdendo em mim mesma ou inventando algo novo que embaralhe tudo, então fica o aviso prévio.

Como eu ia dizendo, espera, o que eu dizia mesmo? Ah, esquece. Sabia que não vim com aqueles manuais de instrução? Aquela coisa toda de passo-a-passo nunca me ajudou muito mesmo, quando eu montava barracas acabava sempre colocando as coisas nos lugares errados e bom, normalmente a abertura da "porta" ficava mais parecendo um rasgo enorme do que uma passagem. Acho que esqueceram de fabricar um desses folhetos ridículos para mim, sabiam que não ia adiantar muito, posso apostar. E garanto mais, se eu tivesse que carregar um manual de instruções seria tão pequeno que eu ia acabar esquecendo por aí, essas coisas insignificantes não me chamam a atenção e costumo esquecer tudo por aí, então...

As pessoas costumam dizer "não entendo você", mas não vejo esforços para ao menos tentarem. Acho que, no final, elas só não entendem o quanto eu gosto do jeito diferente das coisas. Por nascer com uma cabeça um pouco fora do normal gosto das coisas com um gostinho de loucura. Já me chamaram de maluca várias vezes, acredita? Pois é, eu dei uma risada engraçada e confirmei com um sorriso enorme que sim, eu era um pouco maluca mesmo. Já contei que até meu espirro é engraçado? Costumam dizer que eu pareço aqueles ursinhos de pelúcia fazendo barulho, e daí eu dou risada (mas a minha risada também é engraçada). De qualquer maneira, acho que eu faço as pessoas sorrirem sem eu ter que realmente querer isso, parece que não é preciso muito esforço.   

Sinceramente, acho que elas não entendem o quanto eu me apego fácil e meio que agem sem se importar. Ou não se importam mesmo, vai saber. Sei que estou fazendo humor disso, mas o que mais elas não entendem é que a minha maneira de levar a vida é sorrindo por mais que uma lágrima insista em escorrer. Eu gosto de sorrisos sabe? Gosto de raios de sol, mas não deles no verão e numa praia incrível com areias brancas e águas cristalinas. Eu gosto do sol no inverno, porque as pessoas enxergam o valor dele. No frio, queremos o calor. No sol, queremos a sombra. E é meio assim que eu sou, o oposto dos padrões do mundo, eu gosto de inverno com sol e de verão com chuva mesmo. Não sou de generalizar, odeio preconceitos e bom, acho que é meio que por isso que as pessoas não entendem meu humor metafórico quando escrevo e essa essência tranquila de amar o mundo em toda sua forma.

Tenho uma dica: deixa para lá essa história de quebrar a cabeça tentando me entender, aproveita meu riso frouxo e minhas metáforas cafonas, deixa eu te fazer entender que a vida é muito mais legal quando chove no verão e faz calor no inverno. 

** Texto baseado no item 146 - O Que As Pessoas Não Entendem Sobre Você, do projeto 642 Coisas Sobre as Quais Escrever**

4 comentários:

  1. Primeira vez que visito seu blog e tenho certeza que não vai ser a última, gostei muito do texto <3
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  2. Sou bem assim também, até nos espirros, eu juro! Me abusam porque espirro como um porquinho da índia ou algo assim kk, mas eu não ligo, são as coisas pequenas que nos tornam quem realmente somos, as coisas pequenas que fazem as pessoas lembrarem de nós.
    Lindo texto, um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não cansam de dar risada dos nossos espirros engraçadinhos né? Gente chata! Hunf!
      Obrigada flor ♥

      Excluir

Seja mais do que bem-vindo!

Não esqueça de voltar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...