22 de outubro de 2015

[642 coisas] Num dia a gente chuva, no outro a gente flor

É como a chuva no início: lenta, fina e repetitiva até aumentar e virar tempestade. 

Começa a trovejar dentro da gente, as têmporas aquecem e nossas nuvens carregadas sem hesitar insistem em ficar se chocando. Há relâmpagos de luz intensa e rápida que nos cegam por segundos. O choro é quase como o início de uma tempestade, vem devagarinho, uma lágrima de cada vez preparando para o granizo que pode chegar a vir. E a gente sabe que daquela serração fria e do ventinho um pouco mais fino logo logo vem a primeira gota. O problema é quando as gotas demoram a cessar.

Ontem eu chorei, chorei de sentir o coração doer. As palpitações rápidas me manterem soluçando por horas. Alivia, derramar o que anda sobrando dentro da gente de alguma forma chega a ser positivo. Sabe aquela história de como se forma a chuva? Não acho que seja muito diferente dentro da gente, vamos acumulando as gotículas que se vem nos infiltrando e quando vemos a nossa nuvem também enxeu e daí chega a hora de esvaziar. Eis meu grande problema, minha nuvem sempre costuma querer suportar muito mais do que consegue e quando ela desaba é melhor deixar o guarda-chuva e as galochas separadas.

"Aí vem o temporal!"

Mas não demoro mais de uma hora acolhida num cantinho choramingando meus anseios. E depois do alívio todo me sinto de algodão, leve e limpa. E eu poderia colorir minha vida e me pendurar num palito para dizer que aquele pedacinho de nuvem lá em cima que desabou suas dores no mundo virou o mais doce dos algodões doces. É, uma menina meio nuvem, meio tempestade também pode sonhar.

E sabem, sem a chuva nada floresce. Tudo bem que entre as ranhuras e destroços que atrapalham nossos planos parece que não há espaço para nascer flor. Mas me digam que mesmo entre guerras da cor se faz amor. 

Ontem eu chorei, hoje nasci flor. Pétalas pequenas, um pouco delicadas para aguentar uma nova tempestade ainda. Descobri no meu mundinho sentimental quase bipolar que a gente aguenta a chuva forte e que com força se ultrapassa alguns obstáculos, se desvia das pedras de granizo que cortam o céu numa fúria amedrontadora. Floresci dos meus anseios, desabrochei para mais sonhos e das folhas meio comidas por bichinhos passei a ver como uma forma de seguir sempre acreditando. 

Quem sabe o sol não me atinja com tanta força ainda e as chuvas não tenham sido tão agradáveis, mas ainda estou de pé, vendo o mundo girar e deixando a primavera me colorir com suas cores diversas. Num dia a gente chuva, no outro a gente flor.   

**Texto baseado no tema 21 - a última vez que você chorou - do projeto 642 coisas sobre as quais escrever**

10 comentários:

  1. "Alivia, derramar o que anda sobrando dentro da gente de alguma forma chega a ser positivo. "
    Que texto lindo Gabi.
    Chorar faz nascer a flor. ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Cami!!
      Se chuva também faz, porque nossas lágrimas não floresceriam? ♥

      Excluir
  2. "Mas não demoro mais de uma hora acolhida num cantinho choramingando meus anseios. E depois do alívio todo me sinto de algodão, leve e limpa. E eu poderia colorir minha vida e me pendurar num palito para dizer que aquele pedacinho de nuvem lá em cima que desabou suas dores no mundo virou o mais doce dos algodões doces." Preciso dizer algo a respeito? ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kelly ♥
      Somos os algodões mais doces do mundo!

      Excluir
  3. "É, uma menina meio nuvem, meio tempestade também pode sonhar." <3
    Que texto lindo! As palavras super bem escritas. Adoro a forma leve como voce escreve! Super parabens. Beeeeeijo

    http://www.verdadeescrita.com/mae-eu-sou-bi/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos podem sonhar, certo? ♥
      Obrigada Rebeca! Tão bom ler isso! Beijoooo ♥

      Excluir
  4. Que título lindo e texto incrivelmente intenso também.
    A gente chora, começa aos poucos e logo vem o oceano que a gente não sabia que guardava aqui dentro. E vai aliviando. Parece que a energia negativa vai embora com as gotículas, ou boa parte dela.
    Amo como você escreve, Gabi. Sério. Ficou maravilhoso. Um beijo

    Com carinho, Beca; Café de Beira de Estrada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada mesmo, mesmo!!! ♥
      Exatamente, sempre alivia. Sempre floresce.
      Você com essa mania de me deixar sem resposta aos elogios ♥

      Excluir
  5. "...deixando a primavera me colorir com suas cores diversas. Num dia a gente chuva, no outro a gente flor." que lindo! Adorei o texto.

    isxbelly.blogspot.com

    ResponderExcluir

Seja mais do que bem-vindo!

Não esqueça de voltar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...