17 de fevereiro de 2016

[642 coisas] Vou leiloar você de mim

Já decidi, ontem mesmo fiz o inventário. O que sobrou vai para o leilão, estou cansada de te carregar nas costas feito pedreiro e saco de cimento. Já tapei os furos com a massa, exilei os ventos do passado. Cansei. Cansei de levar o mundo e o teu amor despedaçado numa coluna fraquejada. Estou doando o teu pedaço, me livrando de vez desse teu eu que se alojou em mim e não desgruda há tempos. 

Rabisquei a lista de você e mandei convite para todos no facebook para avisar do evento. Já decidi e ponto final, até hora e data marcada já tem. O pessoal esta achando besteira por aí "que louca ela, vai leiloar o passado perdido". Pois digo mais meu povo, tem até certas coisas aí que vão de brinde, aproveita e aparece, não é toda hora que se vende um passado transtornado.

Separei seus aconchegos e aquelas memórias insuportáveis dos teus beijos, deixei junto na caixa com todos os livros que ganhei de você e que nem consegui ler metade ainda, vão ser os primeiros da lista. Sabia que tem um montão de gente querendo o acervo? É, o povo não perde a chance. Que te levem junto com as folhas amareladas, estou vendendo mesmo. Querendo é me livrar.

Com as pelúcias coloquei de brinde o teu cheiro que depois de um tempo passei a achar enjoativo rever nas ruas, perfume barato que me custou um preço alto na recordação. Joguei fora os lençóis e a fronha do travesseiro que usava quase sempre quando te deixava descansar o corpo, uma pena, me renderia uma boa grana. 

Sei que bijuteria não dá dinheiro, mas essas vem carregadas de emoção, o pessoal vai entender, vai saber apreciar um latão velho banhado ao que dizem ser ouro impregnado de um sentimentalismo besta e da saudade do tempo que passou. Tem gente que gosta do antiquado, então que guardem nosso passado.

Vou leiloar você de mim, vou me livrar dos maus agouros, de um passado de raiz forte e inquebrável. Vou eliminar as pragas dessa plantação de lembranças idiotizadas de um romance juvenil que não me deixa seguir em frente. Vou jogar inseticida para sumir com as palavras tuas que uma memória frágil faz lembrar. E o que sobrar vou vender mesmo, quem sabe assim acabo me livrando de vez de você. 

Mas ó, aparece lá e compra um coração, ou meio, quem sabe eu venda a metade que você já quase roubou.

**Texto inspirado no item 67 - escreva uma vida como um inventário de um leilão - do projeto 642 coisas sobre as quais escrever**

10 comentários:

  1. Woowww! Senti aflição aqui quando terminou, eu queria mais :/ ahahaha.
    Muié, cê lacrou no texto. Incrível!!!

    Beijos ;*

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde :)
    Como vai?
    Uma vez fiz um texto sobre "leilão".
    Acho que mais que qualquer um eu te entenderei neste texto.
    A pessoa do meu leilão levou meu coração. Talvez eu o encontre outro dia com alguém que realmente mereça.

    Beijos e continue com seus textos lindos.
    www.rimasdopreto.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achei o tema legal e deu para fazer um texto legal!
      Muito obrigada! <3

      Excluir
  3. Oii Gabrielle. Parabens pelo texto menina! Achei muito interessante esse projeto que voce ta participando. Achei um tema diferente sabe? "Tem gente que gosta do antiquado, então que guardem nosso passado." Parabens, parabens! Beijo grande

    http://www.verdadeescrita.com/e-melhor-parar-antes-de-machucar-mais/

    ResponderExcluir
  4. Nunca me desfiz de nada, depois de fins de relacionamento. Se fosse me desfazer, teria que me desfazer das músicas. E não. Me recuso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, as músicas!!!! Como faz com elas depois né? ♥

      Excluir
  5. Caralho.
    Eu amo teu jogo de palavras, Gabi. Sério. O modo como discorre as histórias ♥ Ai meu coração.
    Que texto mais incrível. Sério ♥

    ResponderExcluir

Seja mais do que bem-vindo!

Não esqueça de voltar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...