22 de agosto de 2017

Geração carência

Talvez vá soar rude, mas é a realidade que me surge: estamos vivendo numa geração carente de atenção. Uma geração de pessoas tão, mas tão vazias por dentro que só sabem buscar no exterior uma forma de preencher esse buraco aberto e acabam se encontrando na crítica assertiva de outros ao tentar suprir a própria carência emocional. 

Queria é ter uma estatística matemática do futuro dessa busca interminável, digo, aonde tudo isso vai parar? Ao que nos leva, no final?

Estamos vivendo a era da aprovação alheia e esquecendo do crescimento pessoal por si próprio. Pense, quanto mais se busca um favoritismo, mais distante de quem se é ficamos. O que eu quero colocar em evidência é justamente essa mania incessante de ser a idealização de algo que não é você porque agrada o outro. Nessa onda de chamar atenção acabamos esquecendo quem somos de verdade.

Esquecemos o que é ficar só, o que é chamar nosso pensamento para conversar numa noite de insônia. Desaprendemos o valor da solitude ao deixar o exterior tomar conta do nosso ser. Não é preciso ser dependente de algo ou alguém, não é preciso agradar para enxergar a felicidade. 

Somos uma geração que esqueceu princípios e não digo para se prender a regras e ao passado, mas se filiar com fé no valor do autoconhecimento. Saber quem se é de verdade, para além dos likes e da aprovação alheia. Reaprender a gostar do cru, daquilo que se enxerga sem filtro, do coração que se aceita sem padronizações. 

Somos uma geração dependente do mundo, carente de toque, afeto e carinho mascarados por futilidades. Uma geração que esqueceu o senso de atitude e se vê mergulhada na facilidade de levar as coisas adiante sem muito questionar, que arrisca pensando no mérito e encontra arrependimento quando as coisas finalmente desabam. 

Uma geração que constrói pilares em corpos alheios e esquece de, antes, solidificar seu próprio ser. 



2 comentários:

  1. Gabiii!!! Que lacre blogueirinha! Eu não poderia concordar mais com você. Infelizmente estamos vivendo essa era do ego, onde fazemos qualquer coisa por atenção e pra nos sentirmos melhores do que os outros. É triste, mas não investimos tempo em nós mesmos e nem sabemos o que realmente precisamos ou queremos para evoluir. Estamos só seguindo a tendência e abrindo mão da nossa própria essência. (foi mal a rima). Já falei no meu blog também, cada vez mais estamos sujeitos ao “todo mundo tem e todo mundo vai”. Sem contar o tédio que isso nos proporciona, ficamos cada vez mais distantes e alheios. PARABÉNS por esse texto. Beijo

    ResponderExcluir

Seja mais do que bem-vindo!

Não esqueça de voltar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...